Biografia de Thomas Mapfumo





Thomas Tafirenyika Mapfumo (nascido em 03 de julho de 1945), é um músico do Zimbábue conhecido como “The Lion of Zimbabwe” e “Mukanya” (o nome atribuído pelo seu clã na língua Shona), por sua imensa popularidade e a influência política que ele exerce através de sua música, incluindo a sua crítica contra o governo do presidente Robert Mugabe. Ele canta músicas populare no genero musical intitulado Chimurenga, em seu estilo de movimento lento e voz inconfundível é instantaneamente reconhecível para os zimbabuanos.

Mapfumo foi preso sem acusações sob o regime dominado pelos brancos da Rodésia. Ele agora vive no exílio nos Estados Unidos, e, embora ele ocasionalmente retornou ao Zimbábue. A sua ultima aparição na sua terra natal foi em 2005.

Biografia
Mapfumo nasceu em 1945 em Marondera, Mashonaland East, uma cidade ao sudeste de Harare, capital do Zimbabwe, embora na época a capital era chamada de Salisbury e o país era uma colônia da Grã-Bretanha chamada Rodésia do Sul. Ele teve um estilo de vida rural e tradidional até aos dez anos de idade, quando sua família se mudou para o município de Harare Mbare. Foi durante estes primeiros anos que ele foi exposto à música tradicional do Shona, a influência de que iria conduzir a sua música depois de se incorporar aos sons do tambor ngoma e os mbira, um instrumentos tradicionais que transmitem ritmos e batidas espirituais.

Início de carreira
Ele se juntou a sua primeira banda, The Zutu Brothers, conquistou o espaço como cantor aos 16 anos de idade. Desde então, ele estava sempre em uma banda, às vezes fazendo biscates na lateral, bem como, incluindo criação de frangos. Daí surge o nome de sua banda em 1972, The Hallelujah Chicken Run Band.

Ele tocou em sua maioria inspirando-se nas músicas de rock e soul americanos, como Otis Redding ou Elvis Presley, até que enquadrou-se com os membros do grupo Hallelujah Chicken Run Band. Lá, ele introduziu a inovação de se adaptar a música tradicional ao moderno Shona com instrumental de rock.

Ele trabalhou com o guitarrista Joshua Dube para transcrever os sons do instrumento principal da música tradicional Shona e mbira para a guitarra elétrica. Ele também começou a cantar principalmente na língua Shona, em vez de Inglês.

Desentendimento político
Só o fato de que ele estava desenhando a tradição musical nativa e cantar em sua língua nativa foi uma declaração política. Rodésia era governado por uma minoria de indivíduos brancos que derrogou a população negra nativa e cultura. Mas mais do que isso, suas letras tornaram-se abertamente política, apoiando a revolução que estava a desenvolver nas áreas rurais, o que Mapfumo chama de “as terras comunais”. Ele chamou o seu novo estilo de music Chimurenga. Em Shona que significa “luta”, e era o nome de um movimento revolucionário anterior, no final do século 19. Suas canções chamou abertamente a derrubada violenta do governo, com letras como “Mothers, send your sons to war” significa “Mães, enviar seus filhos para a guerra.” Ja que o governo branco não entendia Shona, eles não percebiam o quão radical era.

Thomas Mapfumo ja fez turne internacionalmente, e ainda canta e fala sobre os problemas do Zimbabwe. Seu estilo Chimurenga influenciou outros músicos do Zimbabué, incluindo os Bhundu Boys e Stella Chiweshe.

Discografia
Shumba (1990, Earthworks)

Thomas Mapfumo & The Black Unlimited
Gwindingwi Rine Shumba (1981, Chimurenga Music)
Mabasa (1983, Chimurenga Music, Gramma Records)
Ndangariro (1983, Afro Soul)
Chimurenga For Justice (1985, Rough Trade)
Mr Music (Africa) (1985, Afro Soul)
Zimbabwe Mozambique (1988, Chimurenga Music)
Chamunorwa (1989, Chimurenga Music)
Varombo Kuvarombo (1989, Chimurenga Music)
Corruption (1989, Mango)
Chimurenga Masterpiece (1990, Chimurenga Music)
Hondo (1991, Chimurenga Music)
Chimurenga International (1993, Chimurenga Music)
Roots Chimurenga (1996, Chimurenga Music)
Chimurenga ’98 (1998, Anonymous Web Productions)
Live at El Rey (1999, Anonymous Web Productions)
Chimurenga Explosion (2000, Anonymous Web Productions)
Rise Up (2006, Real World Records)

Participação importante
The Rough Guide to the Music of Zimbabwe (1996, World Music Network)

Fonte: Wikipédia