Biografia de Bana





Adriano Gonçalves mais conhecido por Bana (Nossa Senhora da Luz, Mindelo, Cabo Verde, 5 de março de 1932 – Loures, 13 de julho de 2013) foi um intérprete, cantor e baladeiro Cabo Verdiano.

Nasceu no dia 5, mas só foi registado a 11 de Março.

Bana começou a sua carreira quando Cabo Verde era um território português, enquanto trabalhava como guarda-costas e moço de recados do compositor e intérprete B. Leza.

Juntando-se ao coro dos diferentes cantores que contavam e cantavam as mornas, os amadores dos violões, das violas e dos cavaquinhos apercebem-se rapidamente da voz invulgar, “admitindo-o” entre os grandes de então. Um deles ficou particularmente encantado com a voz de Bana: nem mais nem menos do que o célebre compositor e poeta B. Leza, que o apresentou, em 1959, numa digressão que a Tuna Académica de Coimbra efectuou por São Vicente. Entre os responsáveis pela Tuna figuravam o escritor, romancista e jornalista Fernando Assis Pacheco e o poeta e político Manuel Alegre, que tentaram trazê-lo a Portugal para actuar.

No entanto, seria em Dacar (Senegal) que Bana gravaria o seu primeiro disco e daria os seus primeiros espectáculos. De Dacar, segue para Paris, onde permanece até 1968 e grava mais dois LP, e para a Holanda, publicando mais dois “long-play” e seis EP, muito em voga na altura.

É no ano seguinte, 1969, que surge o convite para se deslocar a Portugal. Foi na inauguração do Restaurante “Monte Cara”, em Lisboa, na companhia de dois dos seus amigos, Luís Morais e Morgadinho, com quem formara, em 1966, o conjunto Voz de Cabo Verde, ainda com Toy da Bibia.

Ao longo de uma carreira de mais de 60 anos, Bana publicou mais de meia centena de LP e EP, em grupo ou a solo, e participou em quatro filmes – dois franceses, um alemão e um luso/cabo-verdiano.

“Embaixador” da música cabo-verdiana, por ser pioneiro em levá-la aos quatro cantos da Europa e África, Bana foi reconhecido com várias condecorações e homenagens, quer em Cabo Verde quer no estrangeiro.

Álbuns
Nha Terra (1965)
Pensamento e Segredo (1965)
L. Morais (1967)
A Paris or Bana á Paris (1968)
Recordano (Recording) (1969)
Rotcha-Nu (1970)
So Coladeras! (1971)
Coladeras (1972)
Gira sol (1998)
Acaba comingo
Ao vivo no Coliseu
Bana – a voz de ouro – mornas
Bana canta a magia Cap-Vert
Bana e sua orquestra
Camin de Maderalzim
Canto de amores
Cidália
Contratempo
Dor di nha dor
O encanto de Cabo Verde
Fado
Ganha gasta
Gardenia
Livro infinite
Mandamentos/Sodad II
María Barba e Tunga Tunghinha
Avenida Marginal
As melhores mornas de sempre
Merecimento de mãe
Miss unido
Morabeza
Mornas inesquecíveis
Mornas e coladeiras
Mostero nha tentação
Perseguida
Pilon iletrico
Rotcha-Nu
Solidão
Teresa
La Zandunga

Cantos
Badiu di fora
Cabinda a Cunene (1998)
Canta cu alma sem ser magoado, de Pedro Rodrigues
De bes

Fonte: Wikipedia